Os morros da Floresta Floresta, Juiz de Fora - MG, Brasil
Postado em 15 de abril de 2019 / 159

Da minha janela vejo as belas montanhas,
Nasce ali, em instantes, paz árcade no coração,
A cerração bem cedo e cheia de manhas
Vem lembrar a volatilidade que é a paixão.

Ah, neblina densa não me deixas ver nada!
Não consigo encontrar o real meio ao turvo,
Paixão que me cega, alma negra condenada,
Óh deuses do amor! Eu me rendo, eu me curvo.

Bela, inconstante, Floresta de Juiz de Fora,
Por que me prendes? Não me deixas ir embora?!
Preciso da clausura! Tanto morro me apavora!

Volto da clausura, o chão agora está molhado,
Tudo muda muito rápido e o morro está parado,
Poeta Julgado, noviço de Fora, coração condenado.

TAGS
juniorletras
  • Juliana Gonçalves Lobo says:

    Nossa, José! Que maravilhoso! Se existe algo que pode ser chamado de literariedade o seu poema tem isso! Achei de muita qualidade e tocante! Obrigada pela leitura!

  • Carla V Coscarelli says:

    Você me manda para outro tempo e outro espaço. Muito bom o seu poema!

  • Victória Santana says:

    Um poema tradicional, exatamente como você gosta e muito bem executado. José, adorei!
    Meu conselho/pedido: queria ver um José que fosse mais moderninho, livre da métrica. Tente!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *